sexta-feira, 17 de junho de 2011

Viver sem carne: por que não?


Para quem não convive com um vegetariano ou nunca parou para pensar no assunto, a primeira ideia que talvez venha à mente é a de que o vegetarianismo, é, por essência, uma dieta baseada no consumo de muita salada. Mas, espere! Nem todo vegetariano é um ávido devorador de folhas, uma espécie de homem lagarta. Ah! Ser vegetariano nem sempre corresponde, como muitos pensam, a uma alimentação saudável (existem vegetarianos que se alimentam sem preocupações nutricionais). Em última instância, vegetarianismo não é deixar de comer apenas carne vermelha. Pergunte a um vegetariano se uma comida com frango ou peixe já não lhe foi oferecida quando ele afirmou não comer carne. Tragicômico! Você pode estar pensando: oras, o que é de fato vegetarianismo?
Ser vegetariano é não se alimentar de nenhum tipo de carne. Porém, o vegetarianismo é um universo recheado de tendências, tanto alimentares, quanto motivacionais. Basicamente, a dieta se divide em ovolactovegetariana (ou seja, aqueles que apenas não consomem carnes), lactovegetariana (pessoas que não consomem carne nem ovos), ovovegetarianos (são aquelas pessoas que não comem carne nem leite/derivados; essa opção é pouco comum) e por fim os vegetarianos estritos (grupo que não consome nenhum alimento de origem animal e no qual se enquadram os veganos, sobre os quais falaremos mais adiante).
Alguns grupos mais específicos e não menos interessantes também marcam presença no caldeirão da alimentação sem carne: os frugívoros, crudívoros e freegans são bons exemplos. A dieta crudívora baseia-se em alimentos vivos, isto é, sem cozimento. Assim, os nutrientes são mais bem aproveitados. Já os frutarianos, como o próprio nome prenuncia, tem sua alimentação baseada em frutas e também sementes cruas. Para os adeptos, essa forma de se alimentar é sinônimo de saúde e respeito ao meio ambiente e proporciona o auto-aprimoramento. Os freegans, por sua vez, tem um princípio bastante curioso: aliam alimentação à protesto, vivem do desperdício da sociedade, fazendo frente ao consumismo e ao capitalismo. Não compram seus alimentos e por isso às vezes consomem produtos de origem animal. Diante disso, são comuns as polêmicas por essa maneira de viver. A favor do freeganismo, pesa um fato: um pedaço de carne jogado no lixo será simplesmente lixo, se não for consumido. Um alimento vegano comprado gerará mais resíduos. Complexo? Questionador.
Muitas razões levam as pessoas a aderirem à dieta vegetariana. Há aquelas que nascem em famílias adeptas e seguem naturalmente a alimentação sem carne. Dentre as motivações, o respeito pelos animais geralmente figura na primeira colocação. Entretanto, existem controvérsias sobre esse argumento, pois esse raciocínio colocaria os animais em escala inferior ao homem, sendo, portanto, um pensamento especista. Há quem não coma carne apenas por razões estéticas ou de saúde. Há, também, quem escolha esse modo de vida por questões religiosas, éticas ou pelo meio ambiente (em tempo: para produzir um quilo de carne bovina, são gastos cerca de 18000 litros de água e emitidos 24 kg de gases de efeito estufa; também são usados cerca de 14 vezes mais energia para produzir um quilo de vitela, em comparação à mesma quantidade de batatas).
Todavia, dentre todos os grupos de vegetarianos, existe um que sobressai por transcender a dieta e invadir o campo dos princípios, do estilo de vida. Trata-se do veganismo, que exclui não só alimentos de origem animal da dieta, como produtos e serviços que demandem exploração dos animais. Os veganos buscam não consumir nada que seja resultado de experimentação animal nem frequentar locais cujas práticas não sejam alinhadas com seus ideais. Os vegans são norteados pela prática abolicionista e por isso tem se de policiar para viver sem demandar sofrimento animal. Geralmente, são consumidores conscientes e tem por hábito "investigar" as empresas e verificar se são realmente veganas ou atendem apenas aos apelos comerciais da sustentabilidade. Mas isso não quer dizer que não hajam veganos consumistas, afinal, isso decorre de posturas individuais.
Para quem não é vegetariano, fica a dica: optar por isso sem saber o porquê é fadar sua escolha ao fracasso. Então, pesquise, informe-se e descubra que ser vegetariano também é mostrar quem você é e no que você acredita! Será mesmo justo alimentar sua vida em detrimento de outra vida? Sua consciência e o planeta agradecem.

"Os animais existem por suas próprias razões. Eles não foram feitos para humanos, assim como negros não foram feitos para brancos ou mulheres para os homens." (Alice Walker)

Quer saber mais? Acesse o site do Vegetarianismo! Receitinhas você encontra aqui!
Veja mais sobre os impactos da produção de carne na cartilha elaborada pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB).

0 comentários:

Postar um comentário